Gabriela Marcon   E-mail Facebook Twitter Blogger
 
Home   Perfil   Imprensa   Mestre de Cerimônias   Multimídia   News   Contato
 
     
 

_News

 
 

Arquivo

  Abril 2017
  2016
  2015
  2014
  2013
  2012
  2011
 
 
Fisioterapia Dermato-Funcional
 
Quando falamos em tratamentos estéticos, o primeiro desejo que vem à cabeça é a garantia de devolver ou restabelecer a beleza que se vai com o tempo. Mas além disso, muitas pessoas mantêm a pele saudável por meio de métodos de prevenção. E é aí que entram os tratamentos dermato-funcionais, aplicados pela fisioterapeuta Leandra Paes, do Estúdio Jefferson Hoffmann. Para Leandra, “o aumento da autoestima é a melhor conquista do tratamento estético”.

Para manter a boa autoestima, o rosto merece cuidados especiais. Por causa da diminuição da intensidade do sol, essa é a melhor época para iniciar tratamentos faciais de renovação da pele. Entre os principais procedimentos estéticos, os mais eficazes são: peeling químico e mecânico; radiofrequência; laser; além dos cremes hidratantes e das máscaras. “O sol do outono e do inverno não causa tantos problemas com relação às células cancerígenas, mas o envelhecimento é o mesmo”, destaca a fisioterapeuta, que recomenda o uso do filtro solar o ano inteiro.

Leandra é graduada em Fisioterapia, pós-graduada em Reeducação das Funções Motoras e especialista em Dermato-Funcional. Tem 13 anos de profissão. Leandra atende no Estúdio Jefferson Hoffmann desde o início de 2012, quando o espaço reinaugurou em novo endereço. A dermato-funcional é uma área nova da Fisioterapia que trata da parte estética da face e do corpo.

A pele do rosto -  O rosto é considerado uma das maiores preocupações estéticas, tanto de mulheres quanto de homens. Eles têm na face glândulas sebáceas em maior número, volume e sensibilidade do que as mulheres. Dessa forma, a produção de sebo nos homens é, em média, duas vezes maior, o que resulta numa pele mais oleosa, com presença de poros dilatados, comedões (cravos) e acne de maior duração.

A pele é o principal órgão que nos protege dos raios UV, da poluição e das mudanças climáticas. Conforme Leandra Paes, a pele tem uma importante função de eliminar toxinas, regular a temperatura do corpo e distribuir oxigênio e nutrientes. Por isso, é tão importante cuidarmos dela de modo correto, a partir de uma avaliação de seu tipo e, a partir daí, a aplicação de tratamentos adequados.

A limpeza de pele não é somente para remoção de cravos e espinhas. Ela elimina a sujeira, controla o excesso de oleosidade e retira o excesso e acúmulo de células mortas, além de proporcionar maior permeabilidade cutânea favorecendo a hidratação e, consequentemente, prevenindo o envelhecimento e deixando a pele com aparência jovial.

Leandra Paes dá algumas dicas para manter a pele sempre limpa e para que a limpeza profunda dure mais:

- Remova sempre a maquiagem antes de dormir;
- Lave o rosto com sabonete neutro e tonifique todos os dias;
- Esfolie o rosto com creme específico para rosto uma vez por semana (dê preferência aos esfoliantes à base de frutas);
- Evite o ressecamento utilizando, diariamente, hidratante específico para seu tipo de pele;
- Utilize sempre filtro solar, indicado para sua pele, inclusive no inverno, pois o UVA também é forte na estação mais fria do ano. Mantenha o uso nos dias nublados;
- Não esqueça: estamos sempre expostos a radiações como lâmpadas e monitores de computador, tornando indispensável o uso do protetor solar diário e constante.

Créditos/fotos: Gustavo Felippi.

Outras informações
Leandra Paes | CREFITO 34585 F
Fisioterapia Dermato-Funcional
Estúdio Jefferson Hoffmann
Av. Júlio de Castilhos, 1195 | Centro | Caxias do Sul (RS).
54 8129.4968 | 3214.8554
leandrapaesfisio@gmail.com
estudiojh.com/blog












 
 
         
O usuário é o conteúdo
 
Além de ter alterado a forma como as pessoas se comunicam, a tecnologia digital transformou o meio como as pessoas se informam. Cada um de nós ocupa o centro de uma esfera midiática eletrônica que nos apresenta todo tipo de informação, o tempo todo, em qualquer lugar. Sim, é muita informação! Só para se ter uma ideia, todos os dias, recebemos informação equivalente a 174 jornais!

Meu ídolo da comunicação, o genial teórico canadense Marshall McLuhan, da Escola de Toronto propôs, ainda nos anos 60, que o meio é a mensagem. E é verdade. Hoje, o usuário é o conteúdo. Estamos no centro de uma completa imersão nas mídias e nos ambientes de informação. Cada vez mais, as pessoas estão criando suas próprias redes de informações. A comunicação é de todos para todos, e o cidadão deixou de ser passivo. Ele não somente recebe informações, como as produz. Ele é um mídia. Eu sou. Você que me lê agora é. Nos resta saber filtrar aquilo e quem, de fato, nos interessa. É...ser ou não ser seguido. Seguir ou não seguir. Aceitar ou não ‘amizades’. Eis a questão.
 
Temporada de Dança
 
 
Espetáculo “O estado em que me encontro” encerra
primeira edição do projeto iniciado em 2011

A programação da Temporada de Dança - projeto aprovado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Caxias do Sul, encerra sua primeira edição no mês de junho com a apresentação do espetáculo “O estado em que me encontro”, dia 2, às 20h, na Tem Gente Teatrando.

O espetáculo, com direção e atuação do bailarino Adilso Machado, traz a discussão sobre a dança contemporânea como gestor de conhecimento, recorrendo a maneira de adequação da plateia e sua possibilidade de direcionar o seu imaginário: corpo e olhar sobre o espetáculo. A ideia de adequação também está vinculada ao confronto irônico de “liberdade direcionada” pelo jogo de relações estabelecidas entre o conjunto: plateia, artistas e espaço cênico.

“O estado em que me encontro” é uma construção de proximidade entre artista e plateia, seus refluxos, identificações e contradições num jogo de co-dependência de organização no corpo da obra. O espetáculo faz parte da pesquisa pararela do bailarino Adilso Machado, integrante do Grupo Cena 11 Cia. De Dança – companhia de formação e pesquisa em dança, de Florianópolis.

A pesquisa solo de Machado, no entanto, é provocada pelo seu interesse na discussão da perfomance, de ações simples, instalação e no conjunto de artistas de diferentes áreas – músico, artista plástico e bailarino – como forma de organizar a dança e, consequentemente, o pensamento sobre a dança.

Para o diretor, a dança contemporânea não se restringe em técnicas ou movimentos corporais determinados, pois o intérprete/bailarino ganha autonomia para construir suas próprias partituras coreográficas a partir de métodos e procedimentos de pesquisa como: improvisação, contato-improvisação, método Laban, técnica de release, Body Mind Centery (BMC), Alvin Nikolai.

“Esses métodos trazem instrumentos para que o intérprete crie suas composições a partir de temas relacionados a questões políticas, sociais, culturais, autobiográficas, comportamentais e cotidianas, bem como a fisiologia e a anatomia do corpo. Aliado a isso, viu-se a necessidade da pesquisa teórica para complementação da prática”, explica.

Oficinas de dança | Além da apresentação, Adilso Machado irá ministrar oficinas gratuitas de dança contemporânea, entre os dias 1 e 4 de junho, no Teatro Moinho da Estação. Ele acrescenta que o corpo na dança contemporânea é construído, na maioria das vezes, a partir de técnicas somáticas que trazem o trabalho da conscientização do corpo e do movimento, como a técnica Alexander, Feldenkrais, eutonia, Klauss Vianna (Brasil), dentre outras.

As aulas terão como objetivo condicionar e aumentar a percepção do corpo, refinando a relação entre corpo-mente para auxiliar o participante nas suas atividades profissionais, em especial atores, bailarinos, músicos e atletas que têm no corpo sua principal ferramenta de trabalho. “O intuito do curso é também de agregar conhecimento ao participante, para que este possa posteriormente utilizá-los nas suas atividades diárias”, complementa o diretor e bailarino.

Desde a estreia em agosto de 2011, a Temporada de Dança já trouxe a Caxias do Sul cinco espetáculos de dança contemporânea, uma mostra audiovisual de dança e cinema, além de oficinas. Todas as atividades com entrada franca.

Créditos/fotos: Leonardo Roat, Jackson Nessler e Elisa Schmidt.

PROGRAMAÇÃO

Dia 2 de junho de 2012
Espetáculo | “O estado em que me encontro”
Horário | 20h
Local | Tem Gente Teatrando
Rua Olavo Bilac, 300 – esquina com a Regente Feijó | São Pelegrino.
Entrada franca.

Dias 1, 3 e 4 de junho de 2012
Oficinas de dança contemporânea
Horário | dias 1 e 3/06, das 14h às 17h
Local | Teatro Moinho da Estação | Rua Coronel Flores, 810 – sala 103 | São Pelegrino.
Horário | dia 4/06, das 11h30 às 14h30
Local | Cia. Municipal de Dança | Centro Municipal de Cultura Dr. Henrique Ordovás Filho.
Entrada franca.

TEMPORADA DE DANÇA
Realização | Associação Moinho da Estação (AME)
Financiamento | Lei Municipal de Incentivo à Cultura
Patrocínio | Empresas Randon
Coordenação, planejamento, execução do projeto e informações
Sinara Suzin e Carolina Campos
54 8404.1713 | 54 8104.8221










 
 
         
Planeta Facebook
 
Facebook seria terceiro país mais populoso do Planeta

No final de abril, estive em São Paulo participando de um Seminário sobre Redes Sociais, com grandes profissionais da área da Comunicação e Mídia Digital do Brasil. Os dados apresentados são impressionantes. Compartilho alguns, pois em breve estarei realizando workshops sobre Comunicação 3.0. Vamos aos números. O Facebook tem, hoje, 900 milhões de usuários ativos, sendo 45 milhões de brasileiros. De acordo com Ricardo Sangion, responsável pelas áreas de expansão internacional, mobilidade, desenvolvimento de negócios e gerência de produto do Facebook no Brasil, a expectativa é de que até agosto, o site deva atingir 1 bilhão de usuários no mundo inteiro, considerando que é bloqueado na China. Se o Face fosse um país, seria o terceiro mais populoso do mundo. Metade dos usuários acessa o site por meio de dispositivos móveis, sendo que 60% deles acessa todos os dias. Em um único dia, 2 bilhões de publicações são curtidas ou comentadas e 250 milhões de fotos são carregadas.
 
         
Espetáculo Arquivo - Instância 5
 


Estudos flutuantes, móveis e abertos à atualizações. Assim os integrantes da Cia. Matheus Brusa, de Caxias do Sul, definem as pesquisas em dança contemporânea que vêm sendo realizadas pelo grupo há cinco anos, completados em 2011. “Essa definição vem do pensamento de ‘como’ as coisas importam, e não simplesmente ‘o quê’ importa. Sempre existe algo a ser explorado. É uma brincadeira sem fim”, reflete o diretor Matheus Brusa, que também é professor de Dança Contemporânea do grupo Articulações, ligado ao Programa Artes e Ciências do Corpo, do Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

Para reforçar esse conceito em torno da dança contemporânea e o período de formação do grupo, a Cia. retorna ao palco do Teatro Municipal Pedro Parenti no mês de maio (mês 5) para apresentar “Arquivo – Instância 5” (aprovado pelo Financiarte), nos dias 17 e 18, às 20h30min. Esta será a quinta organização cênica proposta pelo grupo a partir de seu arquivo coreográfico. Outras coincidências numéricas: atualmente, cinco bailarinos/intérpretes integram a Cia. e, além deles, cinco músicos vão atuar no palco, na execução da trilha sonora.
 
À exceção da obra inédita Superfacial, o repertório do espetáculo é composto por readaptações nas coreografias, na iluminação, na trilha sonora e no figurino do grupo. E se toda a obra tem uma mensagem (que pode ser transmitida de várias formas), a questão que a Cia. Matheus Brusa levanta é: quão conscientes estão as influências de cada pesquisa e o que elas podem representar e/ou apresentar. “No nosso trabalho, a mensagem, muitas vezes, é um pouco mais explícita, até pelo uso da linguagem teatral como grande influenciadora”, revela Brusa.
 
A possibilidade de escolher qualquer temática para trabalhar dentro de um processo de concepção coreográfica e, a partir disso, passar a ter conhecimentos variados, é o que mais fascina o coreógrafo na dança contemporânea. Ele acredita que o bailarino possui autonomia no desenvolvimento do processo, a partir do momento em que assimila os pensamentos conceituais e físicos em pouco tempo. “São pensamentosbásicos da parte física, assim como de movimento/tempo/espaço, e a própria intenção de movimento, ou seja, a postura/interpretação/expressão. Assim, acontece a ligação entre o pensamento físico e o emocional”, diz.

AS OBRAS COREOGRÁFICAS - Desde a formação do grupo, 32 obras resultantes de 23 pesquisas já foram concebidas e apresentadas em 10 espetáculos, e também de forma fragmentada em festivais de dança. Abaixo, a relação das obras que serão apresentadas em “Arquivo – Instância 5”.
 
Superfacial (inédita)
Pesquisa: Qualidade de pequenos e versáteis músculos presentes em grande quantidade, numa pequena área, hiper-contaminados com códigos da expressão. Movimentos isolados. Expressões automatizadas e descontruídas.

Bailarinas/Intérpretes: Isadora Martins e Kelen Silva.
Músico/Intérprete: Mateus Bicca Sabbi.

Léxico | Surge em 2007 como solo, e se mantém até 2008, tendo seu tempo duplicado durante esta parte do processo, com algumas das apresentações contendo trilha executada ao vivo por Gustavo Viegas, compositor e intérprete da trilha, utilizada em toda a história da pesquisa. Em 2011 passa a ser um duo com mesma pesquisa e trilha, mas novo elenco, figurino e cenário.

Pesquisa: Conjunto de palavras. Libras, braile, qualidade presente na comunicação de partituras do corpo. Desenho. Branco e vazio para quem visualiza. Evolução do sentido compensando a falta de outro. A comunicação nela, com ela e entre os intérpretes e público. Origem.

Bailarinos/Intérpretes: David Cruz e Luciane Souza.
Trilha sonora: Luis Gustavo Viegas.

Manteiga | Criada em 2008 por meio de uma oficina de quedas com a bailarina baiana Vanessa Mello, foi apresentada neste mesmo ano como resultado da oficina na sala da Cia. Em 2009, teve sua duração ampliada, alterações no elenco, figurino e assumindo claramente o nome "Manteiga", sendo apresentada em palco italiano, dividindo a noite com a pesquisa “Inativos”, e encerrando o Festival de Dança de São Leopoldo. Em 2011, passa de formato grupo para trio, e sua duração se adapta ao regulamento de festivais, tendo seu tempo reduzido. Com esta configuração, a pesquisa continuou sendo muito bem recebida pelo público, ganhando prêmios de destaque, classificações em quatro eventos, inclusive no Festival de Dança de Joinville, onde foi aplaudida intensamente por cerca de quatro mil pessoas. No Grand Prix Brasil, em São Paulo, a coreografia foi finalista do evento, sendo único grupo gaúcho e o único do gênero na categoria.

Pesquisa: Quedas, saltos e deslizes com variações de tônus, tempo, espaço e interpretação. Contrapontos cênicos, tensão da trilha e da atmosfera cênica. Movimentação e dinâmica surgem a partir do contato entre corpos.

Bailarinos/Intérpretes: David Cruz, Kelen Silva e Luciane Souza.
Trilha sonora: Danças Ocultas.

O Outro Nascimento | O ponto de partida desta obra foi em 2006, como um vídeo-dança. Neste mesmo ano, foi apresentado como obra em palco italiano, sendo composto cenicamente junto ao vídeo e, muitas vezes, de forma coreográfica sincronizada com a projeção. Em 2009, a pesquisa foi retomada, em formato grupo, porém com financiamento do edital FINANCIARTE, incluindo música ao vivo, alterações no elenco e no tempo, tendo sua duração quadruplicada. Em formato solo, em 2009 e 2010, reduziu seu tempo conforme o regulamento de alguns festivais nacionais de dança, reduzindo consideravelmente sua duração. Como coreografia concorrente, rendeu prêmio de melhor coreografia, melhor coreógrafo, melhor bailarina e classificação no prestigiado Festival de Dança de Joinville e no Grand Prix Brasil de dança em Paulínia, São Paulo. Neste ano, volta ao formato grupo com alterações na duração, no elenco e cenário. Esta configuração se apresenta com cinco bailarinos e cinco músicos executando a trilha ao vivo e interagindo cenicamente com os bailarinos.

Pesquisa: O poder da comunicação corporal da criança que, por necessidade básica e natural, desenvolve a consciência comunicativa. Um caminho para o exagero, egoísmo e ganância ou, um simples, sincero e emotivo apego. A inspiração parte da obra “Frutos Ardentes”, de Gilmar Marcílio, que diz: “não há porvir sem o encontro com a luminosidade de achar-se liberto de tudo, longe do peso da matéria e de sua gravidade”.

Bailarinos/Intérpretes: David Cruz, Isadora Martins, Jéssica Pistorello, Kelen Silva e Luciane Souza.
Músicos/Intérpretes: Guilherme Rosset, Lucas Chini, Matheus Brusa e Vinícius Lazzari.
Arranjos: Vinícius Lazzari.

Electrões | Concebida em 2006, em formato duo, com duração de festival, fazendo uma relação às qualidades de movimento e sons provindos do imã, obtendo classificação em festivais. Em 2007 teve seu tempo expandido, ganha formato grupo, música ao vivo, financiamento no edital FINANCIARTE, novo cenário e figurinos. Em 2009, é experimentada na configuração de solo e assumindo cada vez mais as linhas do corpo clássico tendo acrescentado o instrumento "theremin" que é tocado pela própria bailarina com os movimentos da coreografia, fazendo parte do espetáculo "Um". Em 2011, passa a ser experimentada no Ballet Margô com elenco Infanto-juvenil, e abrindo espaço para a pesquisa ser diretamente influenciada pela técnica clássica. Em 2012 passa a ter duas vertentes, a que se mantém formada em 2011, com elenco infanto-juvenil e, também como solo, com elenco adulto pela Cia. Matheus Brusa, com tempo prolongado e músicos executando a trilha ao vivo.

Pesquisa: Propriedade magnética do ímã. Jogo de atrações. A afinidade atmosférica e corporal acomodada dentro de um sistema atrativo equilibrado tendo sempre como conflito a ação externa e a adaptação humana. Afinidade, atração ou repulsão às superfícies presentes. Sintonia como suporte de definição da dinâmica, espacialidade e ritmo corporal.

Bailarina/Intérprete: Jéssica Pistorello.
Músicos/Intérpretes: Matheus Brusa e Guilherme Rosset.

Espetáculo “Arquivo – Instância 5”
Dias 17 e 18 de maio, às 20h30min, Teatro Pedro Parenti, em Caxias do Sul.
Ingressos | R$ 10 (à venda no Ballet Margô Brusa – Av. Júlio de Castilhos, 108, de segunda a sexta, das 14h às 20h30, e terças e quintas, das 9h30 às 11h45). Estudantes e Terceira Idade pagam R$ 5. Também haverá ingressos nos dias do espetáculo.
Informações | 54 3222.5338
Katherine Brusa | 54 9118.6533 | katibrusa@gmail.com
Matheus Brusa | 54 9184.2528

Créditos/foto | Maurício Concatto.


 



 
         
Página: « 1 2 3 4 5 6 7 »
 
     
 
Gabriela Marcon E-mail Facebook Twitter Blogger Desenvolvimento WCM3 Agência Web Digital Feeling - Estúdio de Criação